sábado, 20 de dezembro de 2008

Momentos de 2008

O fim de ano chegando, e junto dele vamos nos dando conta o quanto o tempo correu, para não ser repetitiva e dizer que voou, durante estes 365 dias. Nossa correria no cotidiano faz com que nem percebamos o quanto tempo vem passando rápido, e com isso nem prestamos atenção de fato na quantidade de coisas que fazemos , e que por um motivo, ou por outro, deixamos de fazer nesse ano de 2008.

Eu por exemplo, não estudei italiano. Não arranjei um emprego fixo. Não mantive meu peso, não malhei. Não tirei minha carteira de habilitação. Não fui muito ao cinema. Não li muitos livros quanto eu queria. Não dancei muito forró. Não fui organizada com meu guarda-roupa. Mesmo destestando isso, meu quarto passou a ser uma bagunça. Escrevi menos do que gostaria. Não fui ao ortodentista. Tive noites mal dormidas. Me estressei com algumas coisas, fiquei ansiosa por outras. Estagiei que nem uma louca, meio que obrigada pela faculdade e nem fui remunerada.

Mas por outro lado...

Resolvi fazer um blog, daí surgiu o "Verso sem Rima". Comecei a aprender espanhol. Aprimorei ainda mais meu inglês. Comecei a dar aulas, também de inglês à crianças em uma escola, e também particular. Aprendi um pouco de latim. Estudei bastante na faculdade. Tomei decisões importantes. Me tornei mais responsável e um pouco mais segura diante de mim mesma. Assisti à bons shows. Fui ao oculista. Aprendi depois de muito apanhar, baixar filmes na internet. Fiz amigos, conheci gente legal. Fofoquei com minhas amigas. Me envolvi amorosamente com alguém, e até namorei, embora não tenha dado certo. Aprendi a usar um pouco mais a razão nos assuntos sentimentais. Cantei, curti, e dancei muita música boa, e ruim também, não vou mentir hehe, mas me diverti.


Estas foram apenas algumas coisas que eu fiz , passei, realizei e sonhei durante o ano de 2008. Obviamente nem tudo foram flores, mas acho que foi bom. O que espero do ano que estar pra chegar? Primeiramente, saúde e paz, como aquela velha e boa frase diz, o resto vamos correndo atrás. Mas também desejo para o ano que vem chegando:

*Me formar na universidade;
*Conseguir um emprego legal;
* Manter meu peso;
* Entrar num relacionamento amoroso que dê certo;
* Ler muitos livros;
*Deixar de ser sedentária, e me mexer mais;


Se vou conseguir estas coisas, não sei, vou fazer minha parte, lutar e acreditar, tropeçando aqui, levantando ali, mas com muita fé e esperança na vida, e no coração. E para vocês, como foi o ano, e o que esperam para este que vem chegando?

Um Feliz Natal e um Ano Novo maravilhoso para vocês!!!

Beijo no coração!

domingo, 19 de outubro de 2008

Companheira Bolsa


Quer companheira mais inseperável à mulher do que sua bolsa? Creio que não. Que minhas queridas amigas me desculpem, mas nem elas conseguem ser mais companheiras no meu dia-a-dia do que minha bolsa. Se ela é grande, pequena, redonda, quadrada, de couro, surrada, prateada, estampada, colorida, ou esquisita, não importa, nela eu posso levar tudo, quer dizer, quase tudo que desejo.


Ela é muito mais do que um simples acessório feminino, ela acompanha as mulheres aonde quer que ela vá, e seu conteúdo é capaz de despertar a curiosidade de muita gente, principalmente dos homens. Para mulhereda aí de plantão, aposto que você já está cansada de ouvir aquela história: "Bolsa de mulher? É uma caixinha de surpresas, nelas encontramos de tudo um pouco".


E não tem o que discutir, toda mulher que se preze anda com ela pra cima e pra baixo a tiracolo, e o que é de praxe, totalmente carregada, entupida de coisas. Há homens que dizem que levamos um bando de futilidades, mas não sabem eles que somos nós as prevenidas, nunca sabemos quando vamos precisar usar determinada coisa, na dúvida, é melhor carregarmos com a gente ora, o que há de mal nisso?

Como vocês já devem ter percebido no ínicio deste post, já revelei todos os coelhos da cartola, melhor dizendo, já mostrei tudo que eu carrego na minha amada amiga, Bolsa. E vocês, carregam o que nas suas?


Beijokas!!!








domingo, 12 de outubro de 2008

Só basta dizer sim

Fim de semana bom este viu, fazia tempo que não me divertia tanto. Estou aqui com meus pés acabados por ter pulado até umas horas no show da Cláudia Leite, foi sensacional. Fim de semana também que me serviu para refletir sobre algumas coisas. Como o mundo dá voltas meus amigos. E como dá, ontem pude comprovar toda veracidade desta frase. Também pensei em como um 'SIM' pode transformar nossas vidas. Digo em todos os sentidos, não só amorosos que fique claro, mas em outros também, se nos permitíssemos ser felizes, se corréssemos atrás do que queremos, se não complicassemos tanto, se dissessemos, apenas um sim. Mas enfim, isso não vem ao caso, não agora. Apenas pego carona na letra desta música que anda sendo tocada mil vezes no meu mp4 . Letra e música show de bola, até recomendo para quem ainda não escutou.


Eu pensei em escrever alguns poemas...




Só pra tocar seu coração...

Eu sei, uma pitada de romance é bom...


Meu bem, eu tô pedindo sua mão ...



Então case-se comigo numa noite de luar ...


Ou na manhã de um domingo à beira mar ...



Diga sim pra mim ...



Case-se comigo na igreja e no papel vestido branco com bouquet e lua de mel, diga sim pra mim ...



Prometo sempre ser o seu abrigo, na dor o sofrimento é dividido...




Lhe juro ser fiel ao nosso encontro na alegria, felicidade vem em dobro ...






Eu comprei uma casinha tão modesta eu sei, você não liga pra essas coisas ...



Te darei toda a riqueza de uma vida, o meu amor ...

...




Diga sim pra mim" (Isabella Taviani)

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Força das Palavras


Sempre achei instigante o poder que as palavras têm, e como elas podem dar nome as coisas, expressar idéias, e manifestar sentimentos diferentes. Acredito que sua importância é muito maior do que meramente , uma forma de comunicação.

Ela é um instrumento bastante eficiente, exprime pensamentos, conforta, faz sorrir, manifesta carinho, amor, confiança. Mas também muito perigosa, quando nos apossamos delas para machucar, derrubar, mentir, ofender, fazer chorar. Essas em especial, se pronunciadas costumam doer muito mais do que qualquer outra dor física. Elas magoam, maltratam, incomodam . Agimos irracionalmente quando deixamos elas nos dominar, quando deixamos escaparem sobre nossas bocas sem pensar nas consequencias que elas podem trazer.

Particularmente tento pensar muito antes de falar alguma coisa se estou com a cabeça quente. Tenho medo de magoar as pessoas, de repente ser mal interpretada, ou de não conseguir passar aquilo que pretendo. Claro, nem sempre consigo, usar as palavras certas, nas horas certas não são tarefas fáceis, mas precisamos ao menos, tentar.

Hoje podemos magoar alguém, amanhã talvez seja nós, os magoados. Quantas vezes escutamos mentiras, grosserias dos outros, promessas que nos fazem e que ficam perdidas em algum lugar, e que nos ferem profundamente? Mas pera aí, assim como já disseram, palavras por mais poderosas que sejam, não são contratos. Triste né? E chato, muito chato lidar com este tipo de coisa, e voltar a acreditar nas pessoas depois de levarmos aquele "tapa na cara", e de muito sofrermos por ela, não é lá nada agradável. Por isso, olhemos com uma certa atenção o que andamos falando e prometendo por aí. Uma palavra uma vez proferida, bem, difícil de conseguir consertá-la.

Sou adepta as palavras doces, quando me permitem, me ajudam a expressar a intensidade do carinho que eu sinto por alguns. Seja numa palavra de força pra levantar o astral de alguém, ou para fazer um simples elogio. Acho um máximo poesias, delarações de amor, de amizade, as palavras quando usadas neste sentido se mostram muito mais interessantes.Gosto de lê-las, de escutá-las, de contemplá-las naqueles que tem o dom sobre elas, gosto quando consigo tranformar o que penso, o que sinto nelas.

Palavras não são apenas palavras, elas são resultado do que pensamos, elas trazem no seu sentido um poder tremendo diante do que somos, nas nossas ações, de nossos relacionamentos com as pessoas, com nossos amigos e com as pessoas que amamos.Ai as palavras, quem dera se usássemos sem economias, e um pouco mais no dia -a -dia palavras doces, singelas, que nos façam bem,e façam ao próximo, bem simples assim.

Beijokas meus amores!

domingo, 21 de setembro de 2008

Just believe it


Depois de uma semana, estressante, de provas, de trabalhos, cheia de compromissos, da faculdade, vale ressaltar, e de muita coisa para dar conta, aqui estou eu, um pouco mais zen, digamos. Como aproveitei o fim de semana? Dormindo, e vendo um filmezinho. Sair que é bom, nem pra lá, nenhum convite interessante, nenhum telefonema instigante, mas tudo bem, a gente supera. Ás vezes somos tão bobos, criamos tantas expectativas em cima dos outros, dependemos tanto da opinião, da aprovação, da aceitação das pessoas para sermos felizes. Quantas vezes, a gente tem necessidade de ouvir da boca de outros que vamos conseguir um objetivo para só assim acreditarmos que somos capazes? Quantas vezes apostamos todas as nossas fichas numa relação e acabamos esquecendo de nós mesmos? Por que colocamos tanto na mão dos outros nossa felicidade? Por que vivemos tanto em função das pessoas? Não, não me pergunte, se eu soubesse, não estaria aqui me questionando.

Assim como muita gente, eu também sofro deste mal, e ainda estou na tentativa de me tornar uma pessoa mais confiante diante de mim mesma, e sei, não é fácil. Só acho que deveríamos acreditar mais em nós mesmos, e se preocupar menos com a opinião dos demais. Somos o que somos, e temos que ser felizes com o que somos, independente se estamos agradando ou não o outro. Sabe aquela "amiga" que insiste em enfiar na nossa cabeça que nosso sonho é a maior utopia? Sabe quando a gente teima em afirmar que só vamos ser felizes se tivermos aquela pessoa do lado nos dizendo que ama à toda hora? Sabe quando estamos numa fase péssima e alguns, ao invés de nos ajudar, termina piorando as coisas? Por que tudo isso? Devemos acreditar em nós, em nossos objetivos, termos confiança, e pronto. Se temos pessoas do nosso lado, que nos apoia, nas nossas escolhas, nas nossas derrotas, ótimo, dividir com alguém nossos altos e baixos, é sempre bom. Mas não podemos deixar de escutar o que diz nosso coração, nossa intuição, nosso eu interior. É ele que vai nos guiar.
"Quem acredita, sempre alcança!!! "


Já diz uma frase que temos que ser felizes por sermos felizes, e não por causa de. Claro, nem toda hora estamos com o sorriso no rosto, e acreditando que tudo é possível . Eu que o diga, tem horas que nos sentimos as piores criaturas da terra mesmo, mas não podemos esmurecer, nunca. Não sei se estou num dia otimista hoje, e olhe que não estou numa fase tão bem comigo mesma, o estresse anda grande, me sinto gorda, ando cansada, tão sem paciência ultimamente, mas também sei que sou a única que pode mudar o que não anda me agradando .Gostar da gente, e acreditar sempre em nós, é essencial, somos nós os responsáveis por nossa vida, por nossos sonhos, por nossa felicidade. Então acreditemos em nós, e sejamos felizes hoje!!!



Beijos meus caros!!!



domingo, 14 de setembro de 2008

Louco tempo, louco

Comecei a perceber o quanto ando ocupada ultimamente. É trabalho da faculdade, é matéria de prova pra estudar,é curso de inglês, é trabalho, é tanta coisa para dar conta, que tenho sentido falta daquele tempo que a única coisa que eu tinha como obrigação e ocupação, era estudar.

Engraçado como as coisas mudam, até um dia desses reclamava por não ter tanta coisa para fazer, me queixava que sobrava tempo demais para pensar besteiras durante o dia. Tinha tempo para curtir por diversas vezes aquele cd que eu adorava, podia ver, rever, e até decorar as falas daqueles filmes que eu tenho verdadeira paixão. Podia passar o fim de semana agarrada ao telefone de papo com minha melhor amiga por horas, sem pensar nas obrigações do dia seguinte. Tinha o luxo de poder ficar pensando na morte da bezerra , como falam, de pernas pro ar, simplesmente pensando na minha vidinha pacata, e me perguntando quando iriam aparecer coisas mais interessantes para ocupar meu tempo.

Agora me vejo com bem mais obrigações a cumprir, e aquele tempo que me sobrava para fazer aquelas coisas simples, não é maiso mesmo. Temos uma intensa paranóia,uma fixação doentia quando somos adolescentes de querermos nos tornar logo adultos para assumirmos responsabilidades e nos tornarmos pessoas mais ocupadas. Mas quando estas obrigações vão aparecendo, e vamos sentindo que aquele tempo livre que tinhamos para fazer aquelas coisas andam diminuindo, a gente começa a pensar diferente.

Não que a correria do dia-a-dia não me permita mais fazer as coisas que eu gosto. Graças a Deus, ainda posso fazer coisas que eu gosto, mas em doses bem menores. O tempo é uma loucura, 24 horas passa a ser pouco para darmos conta das coisas e ainda aproveitar um pouco como queremos, mas enfim é a vida, a medida que vamos ficando mais velhos, aí é que surgem mais coisas para nos ocupar.

Posso parecer até uma velha com este papo mas para falar a verdade, a razão queme fez falar disso, foi simples,cansaço meus amores. Hehehe! Amanhã é segunda e só em pensar nas coisas que vou ter que dar conta durante a semana, já está me batendo preguiça. Mas é isso, acho que novas não tenho muitas, resolvi passar só para não deixar o Versos abandonado coitado. Coragem, ânimo e inspiração para sentar em frente do computador e escrever algo que preste, anda meio em falta sabe? hehe!


Beijokas meus caros!!!

terça-feira, 26 de agosto de 2008

Um Pouco mais de Paciência

"... Eu finjo ter paciência,
o mundo vai girando cada vez mais veloz, a gente espera do mundo, e ele espera de nós, um pouco mais de paciência..."

(Lenine)

Outro dia desses, comecei a me questionar sobre aquela história que "tudo tem sua hora certa". Não, longe de mim de duvidar da veracidade que se encontra nesta frase. O que questiono aqui, é porque muitos de nós, não sabemos lidar com ela, não sabemos esperar.

A começar por mim, ansiosa por natureza, movida pela impulsividade e não muito bem resolvida. Por mais que eu saiba que tem hora pra tudo nessa vida, tem certas coisas que nos dá a impressão que nunca vão sair do canto. Minha vida amorosa por exemplo, talvez por insegurança, talvez pelas experiências, por ser complicada mesmo, ou por pensar diferente de muitos que só querem ficar, não sei, mas ela parece nunca decolar. Com meus vinte e pouquinho reconheço, ainda tenho que comer muito arroz com feijão para saber lidar com este assunto, de esperar.

Tem horas que é complicado, o tempo só passa, e ter que aguardar "a hora certa" quando a solidão aperta, ou quando a sociedade começa a encher o saco, não é nada fácil. Quantas vezes me sinto a pior das criaturas quando vejo amigas próximas conseguirem namoros que duram anos, acabam, e logo em seguida engatam outro, e eu aqui sozinha. Quantas vezes tenho que me esforçar para dar uma resposta simpática para aquele povo desocupado que insiste em cobrar, "cadê o namorado"? Cada vez mais me convenço, existe uma Bridget Jones dentro de mim, que já não aguenta curtir fossa com aquelas músicas que já escutou mil vezes. Que acha, e às vezes até quer duvidar, que vai encontrar a tal da tampa da panela que tanto falam.

Confesso que não queria sonhar e depender tanto de uma relação amorosa, verdadeira, achando que isso vai tornar minha vida mais feliz. Sei que tenho outras coisas importantes para dar conta, como trabalho, faculdade, família, amigos. Sei que o amor não tem hora para pintar, ele simplesmente acontece quando menos esperamos, assim como tudo na vida. Mas estou cansada de ter a solidão como companhia, de não ter alguém especial do lado para dividir minhas coisas.

" ... Eu finjo ter calma, a solidão me apressa..."

(Ana Carolina)

Tempo, tempo, tempo, quanto mais tenho que esperar para ele me provar que ele tarda, mas não falha. Que toda esta demora de colocar alguém no meu caminho, é para que ele possa me fazer feliz. Não sei se falta muito, espero que não, mas tenho fé que Papai do Céu, não vai me deixar na mão. Somos inquietos demais diante das nossas expectativas de cada dia, isso é fato. O que nos resta por enquanto, é tirar a paciência do bolso e usá-la um pouco. Sei que não é fácil, mas juro que vou continuar tentando, e você?

Beijos meus caros, e desculpem pelo sumiço!!!

quinta-feira, 31 de julho de 2008


"É tanta graça lá fora passa o tempo sem você
Mas pode sim ser sim amado e tudo acontecer
Quero dançar com você
Dançar com você,
Quero dançar com você
Dançar com você... "

segunda-feira, 28 de julho de 2008

PS: Filme Envolvente


Olá meu povo, bom dia, como vão? Espero que estejam bem, e tenham se divertido no final de semana. O meu foi bem tranquilo, não fiz muita coisa, cansada e sem muitas opções para sair, fiquei em casa mesmo aproveitando um bom filme. O escolhido? PS: EU TE AMO, não sei se para um fim de semana, logo à noite , sem nenhuma companhia interessante do meu lado, era o gênero mais indicado pra assistir. Mas como já queria assistí-lo há algum tempo, e depois de ter ouvido falar só maravilhas, resolvi encará-lo.

E não deu outra. Só serviu para eu comprovar o quanto o filme é bom. Não. Bom não, o filme é lindo. Sei que sou um pouco suspeita quando o assunto é filmes desse estilo, romântico, meloso, ou seja lá, o que prefiram chamar. Mas este é muito mais do que um romance água com açúcar, ele é perfeito. No filme, uma moça feliz e realizada (vivida pela atriz Hilary Swank), é casada com o homem dos seus sonhos, bem homorado e apaixonado, que é interpretado pelo bonitão Gerard Butler. O triste da história é que ele acaba morrendo, o que deixa ela totalmente arrasada. O que ela não sabe, é que ele antes mesmo de morrer, deixa uma série de cartas prontas que chegam todo dia às suas mãos. Cartas essas, que vão ajudá-la a superar esta perda e continuar seguindo sua vida. Pense num amor verdadeiro. Pensou? Pois bem.

Não precisa dizer o quanto você fica mexido com a história, a gente até se pergunta se é possível um amor desses na vida real. Não sei. Mas enfim, o filme é muito bom , a gente se dá conta o quanto é importante aproveitar cada minuto ao lado daqueles que amamos. Para quem sabe reconhecer o verdadeiro sentido do amor, entre um casal, com certeza será uma ótima pedida.

O filme saiu em janeiro nos cinemas, e é baseado num livro de mesmo nome, da Cecelia Ahern. Ainda não tive a oportunidade de lê-lo ainda, mas acho que deve ser bem mais completo, e talvez até mais apaixonante do que a adaptação. Mas por enquanto , minha dica é que vocês assistam, sonhem e se apaixonem, acho que não vão se arrepender.

Bjokas!

segunda-feira, 21 de julho de 2008

Sábias? São as crianças !!!



Depois de umas longas férias sumida, quer dizer, de um período marcado por muita preguiça e muita falta do que escrever,( para que mentir?) eis que resolvo dar as caras de novo... Espero eu, que eu consiga dar corda as minhas idéias, e consiga transformá-las em palavras com mais frequência, tarefinha que anda sendo difícil ultimamente, mas enquanto elas estão brotando, vou eu aproveitando...

Mas mudando totalmente de assunto, aqui eu estou a me indagar, engraçado como nós adultos, muitas vezes somos meio infantis, inseguros, por achar que sabemos muito nessa vida, e que vamos sempre agir com coerência. Logo nós, que teoricamente nos julgamos tão maduros, sensatos comparados às crianças, logo terminamos enganando a nós mesmos com esta conversa. Óbvio, que a medida que vamos ficando mais velhos, as experiências que passamos, vamos adquirindo uma certa maturidade sim, mas quem foi que disse que é fácil ser adulto? Eita bichinho complicado... Está certo, que não faz tanto tempo que cheguei a esta faixa etária que chamam de "idade adulta", mas com meus vinte e pouquinho já me sinto bem mais complicada, como pessoa, do que nos tempos de infância.

Muitas vezes somos tão inseguros, nos perguntamos, se a profissão que escolhemos pra nossa vida, nos deixa felizes, se o que ganhamos, ou que ganharemos vai ser suficiente para nos mantermos, se quereremos ou se conseguiremos, casar, ter filhos, ou ficar encalhados? Será que aproveitamos as oportunidades que aparecem e que surgirão ao longo de nossa vida?

Por que quando crescemos, temos tanto medo de demonstrar nossos sentimentos? Por que temos na maioria das vezes tanto medo de arriscar, de trocar o certo pelo incerto, de virar tudo de ponta à cabeça, quando estamos infelizes? ... Por que temos tanto medo de sonhar?... E os problemas quando surgem, como resolvê-los? Será que sempre temos coerência e coragem para contorná-los?... Não. Sinceramente, não creio que somos tão espertos quanto pensamos ser...

Quando se é criança, não temos vergonha de ser felizes. Não temos vergonha de sermos o que somos, não complicamos coisas tão simples, e também não sentimos vergonha de nos sentirmos frágeis, e procurarmos um colo para nos sentirmos protegidos. Não acho, que o fato de sermos adultos, ofereça segurança plena naquilo que somos e que fazemos. Quantos de nós, nem sabemos o que queremos de fato da nossa vida...

Não sou suficiente adulta, porque apesar de já ter sido tomada por algumas "insanidades dessa idade", não tenho medo de assumir que sou uma pessoa que gosta de sonhar, que muitas vezes dou risadas com besteiras, que mesmo já quebrando a cara, ainda continuo acreditando no amor, que não sei esconder minha carência quando necessito de proteção, que sou atrapalhada pra caramba, meto meus pés pelas mãos, e que não tem o mínimo problema de dizer que não sei de um montão de coisa. Me sinto uma meninona diante deste universo complexo das pessoas que se dizem grandes e "sábias"... mas será que elas realmente são?

Beijos meus caros!

domingo, 18 de maio de 2008

Tribalistas de Plantão

Olá pessoas, como todo bom filho à casa torna aqui estou eu novamente. Peço desculpas pelo sumiço, ultimamente ando ocupada, mil coisas para dar conta, falta ânimo para sentar em frente ao computador e escrever algo que preste. Estou tendo uma certa dificuldade para organizar meus horários, mas vou fazer o possível para aparecer com mais frequência. Hoje deixo a vocês um texto que me identifico muito, e que é do Arnaldo Jabor.


Conceito Tribalista

(Arnaldo Jabor)

"Na hora de cantar todo mundo enche o peito nas boates, levanta os braços,sorri e dispara:"Eu sou de ninguem, eu sou de todo mundo e todo mundo é meu tambem". No entanto, passado o efeito do uisque com energético e dos beijos descompromissados, os adeptos da geração "tribalista" se dirigem aos consultórios terapêuticos, ou alugam os ouvidos do amigo mais próximo e reclamam de solidão, ausência de interesse das pessoas, descaso e rejeição. A maioria não quer ser de ninguem, mas quer que alguém seja seu. Beijar na boca é bom? Claro que é! Se manter sem compromisso, viver rodeadode amigos em baladas animadíssimas é legal? Evidente que sim. Mas por que reclamam depois? Será que os grupos tribalistas se esqueceram da velha lição ensinada no colégio, onde "toda ação tem uma reação". Agir como tribalista tem conseqüências, boas e ruins, co mo tudo na vida. Aliás, quando foi que se estabeleceu que namoro é sinônimo de cobrança?
A nova geração prega liberdade, mas acaba tendo visões unilaterais. Desconhece a delícia de assistir um filme debaixo das cobertas num dia chuvoso comendo pipoca com chocolate quente, o prazer de dormir junto abraçado, roçando os pés sob as cobertas e a troca de cumplicidade, carinho e amor. Namorar é algo que vai muito além das cobrancas. É cuidar do outro e ser cuidado por ele, e telefonar só para dizer bom dia, ter uma boa companhiapara ir ao cinema de mãos dadas, transar por amor, ter alguem para fazer e receber cafune, um colo para chorar, uma mão para enxugar lágrimas, enfim, é ter "alguem para amar".

Já dizia o poeta que "amar se aprende amando" e se seguirmos seu raciocínio, esbarraremos na lição que nos foi passada nas décadas passadas: relação e sinonímo de desilusão. Talvez seja por isso que pronunciar a palavra "namoro" traga tanto medo e rejeição. No entanto, vivemos em uma época muito diferente daquela em que nossos pais viveram. Hoje podemos optar com maior liberdade e não somos mais obrigados a "comer sal junto ate morrer". Não precisamos amar sob os conceitos que nos foram passados. Somos livres para optarmos. E ser livre nao é beijar na boca e não ser de ninguem. É ter coragem, ser autentico e se permitir viver um sentimento... É arriscar, pagar para ver e correr atrás da felicidade. É doar e receber,é estar disponivel de alma, para que as surpresas da vida possam aparecer. É compartilhar momentos de alegria e buscar tirar proveito até mesmo das coisas ruins.

Ser de todo mundo, não ser de ninguém, é o mesmo que não ter ninguem também. É estar fadado ao fracasso emocional e a tão temida SOLIDÃO. "


Não posso e nem quero bancar a hipócrita, a santa, ou coisa parecida, mas confesso que não sou muito adepta a este conceito tribalista. Corro o risco até de parecer quadrada por pensar desta forma, mas assim como Jabor cita no texto, não me sinto bem levando esta vida. Acho que estamos cada vez mais descartáveis, superficiais, é algo tão mecânico. A maioria das pessoas já não querem compromissos sérios, preferem ficar trocando de ficante como se fossem roupas, ninguém se envolve mais com nada, a empolgação da paquera, da conquista, isso foi perdido, está tudo muito fácil ... será isso felicidade? Não para mim, pelo menos. É muito bom estarmos com alguém, mas é muito melhor quando gostamos dele. Beijar é ótimo, mas ficar por ficar assim, não nos acrescenta em nada. Não quero ser mais um caso, ou figurinha para completar álbum de ninguém, quero algo mais, quero cumplicidade, respeito, amor. O que acontece é que o estar acompanhado hoje em dia se tornou banalização, o fato de estar pegando geral por aí não evita que nós nos sintamos sozinhos, isso é ilusão.

Bjokas!!!

quarta-feira, 7 de maio de 2008

Busca pela Fama


"Quinze minutos de fama, mais um pros comerciais
Quinze minutos de fama, depois descanse em paz! ..."

Ser celebridade, ter uma bela conta bancária, ser bonito e virar capa de revista, eis o novo desejo de muitos brasileiros. Confesso que ainda fico impressionada com esta necessidade desnecessária, na minha opinião claro, que as pessoas têm em ficar famosas à todo custo. Antigamente para você ser considerado "uma celebridade", você precisava contar com uma boa dose de talento, tinha que saber trabalhar na televisão, na música, e ainda assim tinha que suar muito a camisa para alcançar o sucesso. E mesmo se conseguissem, não se via tanto glamour criado na vida deles como se vê ultimamente, era tudo muito diferente. Já hoje, para se chegar "ao estrelato", é bem mais simples, do dia para noite você pode alcançá-lo mesmo sem ter talento algum.

Diante de todas estas circunstâncias, desta "vida cor-de-rosa", em que eles são requisitados por jornalistas aonde quer que vão, a vontade de se tornar celebridade, passou a reinar no juízo de muitas pessoas, que não medem limites para conseguirem seu espaço. E quer fórmula mais infalível para o estrelato do que os reality-shows? O Big Brother Brasil, este é eficiente ( não sou o seu Creysson, mas eu agarantio!!!) Funciona fácil, basta você ser bonito, ter um corpo bacana, às vezes criar umas polêmicas dentro da casa, e pronto. Você não só sai com uma boa grana, como também sendo seguidos pelos paparazis, afinal de contas, agora você é celebridade. E se for mulher então, sai com um extra ainda estampando a capa de alguma revista masculina. Não há erro, é fama na cabeça, ou melhor, não só a cabeça, mas também pé, o corpo inteiro na fama.

" Não importa contradição, o que importa é televisão
Dizem que não há nada que você não se acostume
Cala a boca, e aumenta o volume então!!!"

Ainda pode-se citar outro meio rápido de se atingir este tão cobiçado posto. Quantas mulheres não vemos engravidando jogadores de futebol, ou pessoas em geral se metendo em confusões que envolvem os famosos, claro, e no outro dia participando de programas de fofoca? É uma banalização total, nunca se chegou numa capa de revista, ou na T.V. com tanta facilidade.

As fórmulas são muitas para se conseguir alguns minutos na mídia, e vale de tudo. Não entendo ao certo o que leva a galera a se submeter a tanta coisa para aparecer. Dinheiro, lógico que é bom, e eu estou doida de negar? hehe! Mas sinceramente não vejo graça de correr atrás de fama, é um preço muito alto a se pagar, é chato, você ser tratado como um deus, se sentir o poderoso, (pior ainda) e ainda aguentar as pessoas no seu pé, dando pitaco e querendo saber da sua vida. Não, definitivamente ser celebridade não está nos meus planos. Estas novas "estrelas" que estão por aí, dificilmente conseguirão seguir na mídia por muito tempo. Do jeito que a fama instântanea vem, ela vai, alguém aí por acaso lembra os nomes dos participantes do primeiro BBB? Não? Nem eu!


Música citada: "A melhor banda de todos os tempos"
(Branco Mello / Sérgio Britto )

sexta-feira, 2 de maio de 2008

É só Saudade ...

Como vocês estão, tudo bonzinho? Espero que estejam bem, assim como acho que estou também. Ando meio sumida estes dias, por pura falta de inspiração mesmo. Ultimamente, ela anda perdida em algum lugar por aí , por isto não esperem muito de mim. Mas apesar dos pesares, a semana foi até agradável. Na faculdade, minhas notas foram divulgadas, e para minha felicidade me dei muito bem. Já o feriado ontem, passei em casa. Mas vamos lá, falar sobre o dia de hoje. Não fiz muita coisa interessante, mas alguns pensamentos tomaram conta de mim, algumas lembranças que pareciam tão bem guardadas, resolveram aparecer para aperriar meu juízo.

Me peguei vendo algumas fotos tiradas, há um ano e meio mais ou menos, que traduzem perfeitamente um momento especial que eu estava passando. Momentos que mexeram comigo, que me fizeram um bem danado. Instantes compartilhados, vividos, que por algum motivo deram certo sim, mas apenas por alguns instantes. De toda aquela feliz realidade, hoje me sobrou, apenas a saudade.

Ás vezes somos surpreendidos por este sentimento, que incomoda, que faz voltarmos no tempo e revivermos outra vez aquilo, que nem já existe mais. Há quem diga que quem vive de passado é museu, não deixa de ser verdade, mas levarmos a sério esta teoria, não é tarefa das mais fáceis. Tem coisas que marcam nossas vidas que é impossível esquecê-las. Ai a saudade, sentimento insistente, teimoso, que é tão intenso, que chega a ser complicado de ser explicado. Só quem sente é quem sabe...

Independente das lembranças que levamos conosco, sejam elas boas, ou ruins, tendo elas nos feito felizes ou não, elas sempre vão fazer parte de nossa vida. Para ser bem sincera nem sei porque sendo tomada por este sentimento, resolvi ainda dar corda a ele.Talvez pela aquela solidão repentina que bate de vez em quando, talvez pela hora da noite, que é muito normal eu parar para pensar besteiras, talvez por estar sem nada para fazer. Não sei ao certo. Talvez o que tenha me levado a escrever seja por saber, que no fundo, se apesar de tudo, se os momentos aqui recordados continuam a ser lembrados, é porque valeram realmente a pena.


Ao som da música, "Collide".

( Howie Day)


quinta-feira, 1 de maio de 2008


"... De todas as dificuldades que uma pessoa tem
de enfrentar, a mais sofrida, é, sem dúvida, o
simples ato de esperar..."


( "A Cidade do Sol" - Khaled Hosseini )




domingo, 27 de abril de 2008

Blá Blá Blá ...

Olá meus caros, como vocês estão? Espero que bem, hoje quero lançar de cara uma pergunta a vocês. Para falar a verdade nem eu sei, se existe alguém que goste de ler estas coisas que eu escrevo, mas o assunto me pareceu tão interessante, que eu vou questioná-los do mesmo jeito hehe!

Pois bem, sejam sinceros consigo mesmo,vocês acham que as mulheres falam demais??? Bom, como mulher eu não posso negar que gostamos de falar mesmo, eu reconheço. Mas acho que aquela piada machista, e que somos obrigadas a escutar, de que falamos mais do que os homens, desculpem, mas já está ultrapassada. É, para contrariar pesquisas já feitas e até publicadas em livros que diziam que as mulheres pronunciavam por dia quase o dobro das palavras dos homens, e para contrariar os próprios, eis que surge uma novidade, para nossa felicidade mulherada!

Segundo uma pesquisa feita nos EUA, e publicada na Revista Science do ano passado, alguns cientistas chegaram a conclusão de que os homens falam tanto quanto a mulherada. Os estudos apontaram que durante um dia, pronunciamos em média 16.215 palavras, e os homens 15.669. Ou seja, se a gente ainda levar aqueles babados de margem de erros em conta, a diferença que existe chega a ser irrelevante, de tão pequena que é. Elas foram realizadas com a ajuda de discretos gravadores númericos, que resgistraram o cotidiano da palavra entre cerca de 400 estudantes de grupos equivalentes de ambos os sexos, nos EUA e no México.

Pois é, a gente pode adorar um telefone, uma fofoca aqui, outra acolá, temos nossas necessidades de falar mesmo, e não negamos. Mas daí levarmos a fama de tagarelas sozinhas é injusto. Os homens podem até não assumirem, ou até nem se darem conta, mas no fundo falam pelos cotovelos também. Seja para falar de futebol, ou de mulher, ou de sei lá o que, eles estão sempre fofocando entre amigos, pode ter certeza. E ainda abrem a boca para falarem que somos nós as " únicas tagarelas" da história, ooo coitados.


Ao som da música, "All my loving".

(The Beatles)



segunda-feira, 21 de abril de 2008

Ditadura da Beleza

Vaidade excessiva: Exagero em questão


Reconheço que o que vou falar aqui, ou melhor, escrever, não chega a ser nenhuma novidade. Pelo contrário, se tem assunto que já estamos cansados de ouvir, de saber, de discutir, é sobre esta preocupação excessiva que damos a beleza. Se toco neste assunto, é porque também muitas vezes sou vítima desta ditadura da qual somos alvos. É, DITADURA!!! O termo pode até ser clichê, mas não vejo outra palavra que denomine melhor esta realidade, até obscura, que são os novos e rigorosos padrões de beleza que são impostos pela nossa sociedade. São dignos de uma tirania.

Ás vezes paro para pensar, o quanto eu, e quantos outros são tão dependentes destas coisas. É a vaidade que impera, é ela que reina sobre tudo e sobre todos. Longe de mim de querer bancar a hipócrita, em dizer que não é bom nos acharmos bonitos (nada de narcisismo), mas gostar da gente. Não sou diferente, tenho também minhas vaidades, me cuido, acho legal nos olharmos no espelho e nos sentirmos bem. Mas quando tenho minhas crises, minhas paranóias com a balança, ou entro em parafusos por estar com alguns quilinhos a mais, mesmo conscientizada do papel idiota, desempenhado por minha pessoa, eu termino me entregando a tal coisa. Eu sei, não é fácil, mas toda esta "pré-ocupação" constante, toda esta fixação, tem passado dos limites. A mídia, e a publicidade, AFF, adoram nos influenciar com estas idéias. Elas sim, são os maiores responsáveis por colocarem grilos nas nossas cabeças. E bota grilo nisso!

Vejo adolescentes com problemas de anorexia, bulimia, porque querem o corpo da Giselle Bundchen, (coitadas, pura ilusão), vejo os meninos, se enchendo de anabolizantes para ficarem sarados ( e se sentem "os caras", putz dá pena!) ; é silicone, bótox, e sei lá mais o que usados cada vez mais cedo pelas pessoas. Aonde vamos parar com esta baboseira, que enche nossa mente, e nós como robôs, obedecemos cegamente? Viver de cirurgias plásticas, frequentar clínicas de estética, dietas mirabolantes, muitas vezes só põem em risco nossa saúde.

Quando ligo minhas idéias, me pergunto se sacrificar tanto por certas coisas fúteis, realmente farão de mim, uma pessoa mais feliz. Não sei, confesso que nem sempre me sinto confortável quando me disponho a fazer. Acho que beleza é algo relativo, cada um tem seus defeitos, seus traços mais bonitos, cada pessoa tem as suas preferências e pronto. Buscar à todo custo a perfeição na aparência é ilusão .É balela querer taxar determinados esteriótipos como referências absolutas, e se nós nos vemos obrigados a seguir, é burrice nossa. Temos que aprender a gostar de nós mesmos, temos que nos cuidar acima de tudo por saúde, bem-estar e não a querermos ser cópias de outras pessoas. Como dizem, " O SOL NASCE PARA TODOS", cabe a nós reconhecermos isso. Beleza não se joga fora, mas não podemos viver em função dela.

Ao som da música, " A Seta e o Alvo".

(Paulinho Moska)

sexta-feira, 18 de abril de 2008

Preparem a Pipoca

Sexta-feira, feriadão à caminho, nada melhor que começar com um bom filmezinho né? Entendo muito pouco de filme, mas mesmo assim, vou deixar a dica de uma comédia que vi recentemente e dei boas risadas, "Minha mãe quer que eu case". O filme saiu ano passado, e conta a história de Daphne Wilder (Diane Keaton), uma mãe solteira que sonha em ver suas filhas felizes e bem casadas. Uma das garotas, a Milly (Mandy Moore) não está nada resolvida com a vida amorosa, por isso, a mãe decide enviar um anúncio num site de relacionamentos, para encontrar um bom namorado para a filha.

Bom, daí dá para imaginar o quanto esta mãe vai aprontar, e a filha coitada... O filme é simples, diria até que é uma daquelas comédias "aguinha com açúcar", mas quem gosta deste tipo, garanto que vai se divertir um bocado.

É, pelo que vejo não é só por aqui que a falta de namorado está braba, é preciso até a mãe entrar em ação, apelar para anúncios para a filha desencalhar. A situação está séria mesmo, ooo se está, deixa eu calada hehehe! Mas é isso, filme recomendado, podem preparar a pipoca, se jogar na poltrona, e começar a dar risadas!

Beijos meus caros!

quinta-feira, 17 de abril de 2008

Mais ou Menos

Depois de uma semana estressante com as provas na faculdade, hoje felizmente estou livre delas. Agora vem a parte melhor, ou pior da história, as notas hehe! Mas apesar dos pesares, estou confiante que sejam razoáveis ... Mas mudando totalmente de assunto, vamos ao post de hoje, podem ficar sossegados, não vou ficar enrolando. Vou compartilhar com vocês um texto do Chico Xavier, que é muito bonito, espero que gostem!!!


Mais ou Menos

"A gente pode morar numa casa mais ou menos,numa rua mais ou menos,numa cidade mais ou menos e até ter um governo mais ou menos.

A gente pode dormir numa cama mais ou menos,comer um feijão mais ou menos,ter um transporte mais ou menos e até ser obrigado a acreditar mais ou menos no futuro.

A gente pode olhar em volta e sentir que tudo está mais ou menos.

Tudo bem.

O que a gente não pode mesmo, NUNCA, DE JEITO NENHUM, é amar mais ou menos,é sonhar mais ou menos, é ser amigo mais ou menos,é namorar mais ou menos, é ter fé mais ou menos e acreditar mais ou menos.

SENÃO A GENTE CORRE O RISCO DE SE TORNAR UMA PESSOA MAIS OU MENOS..."

quarta-feira, 16 de abril de 2008

Do you speak english x Você fala português?

Vocabulário português invadido por palavras estrangeiras, será motivo de alegria, ou razão para começarmos a valorizar mais a nossa língua portuguesa???

Tendo os EUA, Inglaterra, Austrália, Canadá, como grandes exemplos de países desenvolvidos, o inglês tornou -se uma língua respeitada e de grande influência nos quatro cantos desse mundo.Você talvez não goste do idioma, talvez jure de pés juntos que não entende absolutamente nada, e até torça o nariz ao lembrar das aulas, em que é obrigado a ficar decorando que nem um papagaio o verbo "TO BE "de trás pra frente. Você pode achar tudo uma chatice, e talvez nem se dê conta, mas ele está mais presente na nossa vida, do que você imagina. Não há o que se discutir, a influência dele no nosso idioma tem crescido assustadoramente. Ele ilustra nomes de lojas, nomes de cosméticos, letras de música popular brasileira, está presente na nossa linguagem do dia- a-dia. Atire a primeira pedra quem nunca tomou emprestado nem que seja uma palavrinha perdida, ou expressão em inglês.

É um tal de cair na night, de fashion, down, time, diet, brother, honey, hot dog, drink, in love, ... todo dia nos apossamos de uma palavrinha nova. Talvez por acharmos bonito, sofisticado, não sei, mas no fundo termina ficando tudo engraçado, e o nosso português coitado, desvalorizado. Será mesmo que ninguém aqui não gosta do inglês? Tenho minhas dúvidas, até porque só usamos aquilo que gostamos, com corda, ou sem corda? Também sou apaixonada por ele , sim assumo! Gosto tanto que sou uma estudante de letras, e quero muito trabalhar com isso, acho que nesse mundo globalizado em que vivemos, é importante aprendermos idiomas, principalmente ele, sendo a língua mais falada do mundo. Seu estudo é sim muito importante, por que não dizer fascinante?

Mas também reconheço, a gente anda exagerando muito nesses "empréstimos". Aqui no Brasil, temos o nosso bom e velho português, uma língua também bonita e bastante rica. Quando a gente passa a usar mais o idioma dos outros na nossa terra, terminamos desvalorizando o nosso, e isso não é nada legal. Antes de sairmos saboreando adoidado o inglês do "the book is on the table", aprendamos a apreciar o nosso português também!!!


Bjinhos!

domingo, 13 de abril de 2008

Beijar ! Beijar! Beijar !!!

Beijo. sm. Ato de tocar com os lábios em alguém ou algo, fazendo leve sucção; ósculo. (Dicionário)

"O beijo é um truque adorável que a natureza criou para interromper uma conversa quando as palavras já não tem, mais importância "

Hoje é 13 de abril, dia em que comemoramos no Brasil o Dia do Beijo. Beijo, que segundo alguns estudiosos existe há milhares de anos, e nos proporciona um bem estar físico e emocional maravilhoso. Eita lê lê, quer coisa mais arrebatadora do que um beijo? Seja ele dado no rosto, ou na boca. Seja ele molhado, demorado, roubado, doce ou salgado, não importa. O ato de beijar é uma das maiores manifestações de carinho entre as pessoas. Além disso mexe com a gente dos pés à cabeça, desde nosso fluxo sanguíneo até nosso cérebro. Aumenta nossa frequência cardíaca e estimula nossos hormônios, o que faz com que sintamos aquela euforia toda na hora. Sem contar que ainda, faz perdermos boas calorias. De acordo com alguns especialistas, um beijo caliente que dure dez segundos é capaz de queimar até 12 calorias. Imagina então se beijarmos mais dez segundos, já serão 24 perdidas. Pense num exercício proveitoso, é unir o útil ao agradável( põe agradável nisso!) se estamos de dieta não há mais o que se estressar, o negócio é beijar e tudo resolvido.

Não há quem não se lembre do seu primeiro beijo, ou quem ainda não sonhe com ele. É algo fenomenal, quer dizer não foi no meu caso, que não era com uma pessoa que gostava, foi meio estranho a príncipio... Mas tudo bem, é uma lembrança que certamente levaremos para toda nossa vida.

Beijo é beijo em qualquer lugar desse mundo, e nunca é igual ao outro mesmo sendo dado numa mesma pessoa. Portanto a ordem é beijar, aqui acolá, no Brasil ou no Panamá, a ordem é aproveitar, o dia é para isso.Queria aproveitar o dia de hoje, mas pena que não vai dar, não da maneira que queria pelo menos, mas fazer o que? Mas uma coisa é certa, beijar é bom, faz bem, independente se for entre pais e filhos, amigos, ou namorados. Você já beijou hoje? Não? Então não perca tempo, e beije muito!!!

Beijos para vocês também!

sexta-feira, 11 de abril de 2008

Zero de Inspiração

...

Oi gente, queria falar tanta coisa interessante hoje, depois de dias sem postar, mas sinto informar que não vai sair nada. Primeiro porque não estou afim de falar nesse momento, segundo por falta de inspiração mesmo, coisas, enfim... Minhas palavras sensatas precisaram tirar folga, e eu vou ser obrigada a obedecê-las cegamente !Estou cheia de coisa pra fazer, para estudar, para pensar. Estou cansada, estressada, e outros adas mais, por isso nada se salvará nessas entrelinhas. Peço desculpas a vocês e prometo aparecer no fim de semana, com idéias novas, e quem sabe, interessantes.

Bjokas!

terça-feira, 8 de abril de 2008

A Procura da Felicidade

A Felicidade, eis nosso principal objetivo de vida. Mas porque será que a gente vive esperando que um dia ela resolva pousar definitivamente sobre nossos ombros? Engraçado como nós, lidamos com esta necessidade. Eu por exemplo estou me sentindo tão mal resolvida comigo mesma. É o trabalho que não aparece, é a vida amorosa que insiste em aprontar comigo, enfim, pra ser sincera ultimamente nada parece funcionar muito bem, por mais que eu tente correr atrás. E você é feliz, está feliz? Não? Já sei, quando conseguir aquele emprego, ou quando comprar aquele carro, e conseguir casar com o grande amor da sua vida, aí sim você poderá encher a boca para dizer, sou uma pessoa feliz. O caminho que percorremos para "alcançá-la" é cheio de obstáculos, complicações, o que nos faz pensar que só o amanhã será encarregado de trazê-la. Sonhamos com o futuro, e esquecemos do hoje.

Será que no fundo não há nada hoje, que não nos faça felizes? Eu acredito que no fundo somos ingênuos em querer fazer da felicidade um destino. Somos um pouco utópicos em acreditar que algum dia vamos conseguir a felicidade plena. Vivemos no amanhã, e acabamos esquecendo de aproveitar o hoje. Ora, podemos desfrutar dela em cada momento que passamos com pessoas queridas, dando risadas das coisas simples da vida. Quando escutamos uma música que nos faz bem, quando amamos, ou até mesmo quando superamos algum obstáculo. Já disse alguém,

"Ser feliz é fazer de cada minuto um momento especial."

Por mais que insistemos no futuro, podemos ser felizes hoje.
Depende de nós, cabe a nós, sabermos aproveitar as coisas simples da vida. Todos temos problemas, mas ser feliz não é destino, é uma viagem, então vamos já ser felizes!!!

segunda-feira, 7 de abril de 2008

Perca um Livro

Hoje o dia vai ser puxado, trabalhos da faculdade para estudar e dar conta, por isso vou deixar apenas uma dica de uma campanha legal que descubri nas minhas visitas (constantes diga-se de passagem) em alguns blogs e nas comunidades do orkut. A campanha se chama PERCA UM LIVRO, e tem como intuito provocar nas pessoas o incentivo pela leitura. Basta a pessoa perder um livro em algum lugar público , para que ele seja achado e assim lido por outros. Esses por sua vez, depois de usufruir da leitura devem dar continuidade a prática. Você como eu, que é apaixonado por livros, pode estar pensando, que idéia mais louca é essa, eu sair abandonando meus livros assim?

É, a princípio pode parecer absurdo. O preço dos livros são altos para sair "abandonando" eles assim, sem contar que muitas vezes terminamos nos apegando. Confesso que não sei se vou aderir de fato a campanha (comentário podre esse meu, dar a dica e no fundo não ter coragem de fazer? AFF). Mas não há como negar, trata-se de uma bela iniciativa. Sabemos que nem todo mundo tem a possibilidade de ter acesso à livros, nem todos podem usufruí-los. Já outros o tem, mas não lêem por preguiça. Mas enfim, vou deixar o link da camunidade para vocês darem uma olhada...

http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=40534409

Dica dada, vamos ver se separamos pelo menos aquele livro que não mexemos muito, e passamos para outros, para que possam apreciar o gosto único que é a leitura... Eu vou tentar, (eu juro! hehe) e vocês deveriam também!

domingo, 6 de abril de 2008

Românticos em extinção !?

Domingão, tudo tranquilo com vocês? Espero que sim, hoje eu vou deixar algo que vi nas minhas aulas de literatura, que achei engraçado e ao mesmo tempo instigante para vocês lerem e tirarem suas próprias conclusões. Possivelmente deve ser uma grande verdade, até para aqueles que bancam os durões, e torcem o nariz quando ouvem falar de romantismo. Cuidado, você pode ser um, e só agora tomar consciência disso !!! Será que além de gênios, e de loucos, temos também, de românticos, um pouco?



Coração bate de novo no compasso da serenata

(Márcia Guerreiro)


Assistindo à reedição de velhos hábitos, especialistas garantem: o romantismo ressurgiu.


As cenas são centenárias, mas não há quem não sonhe ser a mocinha ou o mocinho que cruzam olhares no embalo deuma serenata, que tenham nos olhos o reflexo da chama amarelada das velas sobre a mesa de jantar e que, emocionados, molhem o sorriso com lágrimas na entrega da rosa.

O comportamento parece ridículo, mas também não há quem não sonhe em ficar sentado horas esperando o telefone tocar para depois relembrar palavra por palavra dada do outro lado da linha; escrever frases bregas no cartãozinho mais brega ainda (e achar um exemplo de bom gosto e originalidade); ficar sem fome (ou comer demais); ouvir música (melosa) sem descanso e perder o maior tempo imaginando os passos do outro.

Não há quem não queira ser o motivo da "loucura" e da inspiração (mesmo desastrada) para o versinho que vem assinado pelo Chuchu, pelo Fofo, ou pela Gatinha - apelidos que fazem o resto do mundo cair na gargalhada e ele (a) se sentir realmente fofo, um chuchu, ou uma gatinha. Os últimos românticos ganharam milhões de companheiros. O romantismo sobreviveu a todas as formas de revoluções de comportamento. Ele pode ter emprestado as vestes da modernidade, mas despido, ainda tem as velhas formas que emocionam todas as gerações. Não há como negar. não há quem não queira ser o "Te" do eu te amo.

sábado, 5 de abril de 2008

Que seja infinito, enquanto dure !!!

Bom dia pessoas, depois de algumas mudanças aqui está meu blog de volta, com a cara totalmente renovada. O nome mudou, o visual também mudou, mas as idéias, continuam as mesmas. Eu sei que minha experiência em blogs, ainda é pequena, não faz nem um mês que me aventurei por estes caminhos, mas confesso que tenho gostado da brincadeira. Logo eu, uma estudante de letras que mesmo tendo muita necessidade de escrever, jurava que nunca seria seduzida por tal coisa. Agora me rendo, e sou obrigada a pagar minha língua, vejam bem como são as coisas.

Prometo me esforçar sempre para trazer algo de interessante. Pretendo compartilhar com vocês, meus pensamentos, muitas vezes mirabolantes, mas às vezes até um pouco produtivos, penso eu. Literatura, música, dicas de filmes, assuntos do dia a dia, serão sempre discutidos por aqui. Quem sabe assim colocando minha mente e minhas palavras em sintonia, possa sair alguma coisa sensata? ou não?! ... enfim, só me resta desejar boas vindas àqueles que vão perder seu glorioso tempo lendo o que me proponho a escrever. Sejam muito bem-vindos meus caros!!!

"... Que seja infinito enquanto dure... "


Bjokas!