quinta-feira, 31 de julho de 2008


"É tanta graça lá fora passa o tempo sem você
Mas pode sim ser sim amado e tudo acontecer
Quero dançar com você
Dançar com você,
Quero dançar com você
Dançar com você... "

segunda-feira, 28 de julho de 2008

PS: Filme Envolvente


Olá meu povo, bom dia, como vão? Espero que estejam bem, e tenham se divertido no final de semana. O meu foi bem tranquilo, não fiz muita coisa, cansada e sem muitas opções para sair, fiquei em casa mesmo aproveitando um bom filme. O escolhido? PS: EU TE AMO, não sei se para um fim de semana, logo à noite , sem nenhuma companhia interessante do meu lado, era o gênero mais indicado pra assistir. Mas como já queria assistí-lo há algum tempo, e depois de ter ouvido falar só maravilhas, resolvi encará-lo.

E não deu outra. Só serviu para eu comprovar o quanto o filme é bom. Não. Bom não, o filme é lindo. Sei que sou um pouco suspeita quando o assunto é filmes desse estilo, romântico, meloso, ou seja lá, o que prefiram chamar. Mas este é muito mais do que um romance água com açúcar, ele é perfeito. No filme, uma moça feliz e realizada (vivida pela atriz Hilary Swank), é casada com o homem dos seus sonhos, bem homorado e apaixonado, que é interpretado pelo bonitão Gerard Butler. O triste da história é que ele acaba morrendo, o que deixa ela totalmente arrasada. O que ela não sabe, é que ele antes mesmo de morrer, deixa uma série de cartas prontas que chegam todo dia às suas mãos. Cartas essas, que vão ajudá-la a superar esta perda e continuar seguindo sua vida. Pense num amor verdadeiro. Pensou? Pois bem.

Não precisa dizer o quanto você fica mexido com a história, a gente até se pergunta se é possível um amor desses na vida real. Não sei. Mas enfim, o filme é muito bom , a gente se dá conta o quanto é importante aproveitar cada minuto ao lado daqueles que amamos. Para quem sabe reconhecer o verdadeiro sentido do amor, entre um casal, com certeza será uma ótima pedida.

O filme saiu em janeiro nos cinemas, e é baseado num livro de mesmo nome, da Cecelia Ahern. Ainda não tive a oportunidade de lê-lo ainda, mas acho que deve ser bem mais completo, e talvez até mais apaixonante do que a adaptação. Mas por enquanto , minha dica é que vocês assistam, sonhem e se apaixonem, acho que não vão se arrepender.

Bjokas!

segunda-feira, 21 de julho de 2008

Sábias? São as crianças !!!



Depois de umas longas férias sumida, quer dizer, de um período marcado por muita preguiça e muita falta do que escrever,( para que mentir?) eis que resolvo dar as caras de novo... Espero eu, que eu consiga dar corda as minhas idéias, e consiga transformá-las em palavras com mais frequência, tarefinha que anda sendo difícil ultimamente, mas enquanto elas estão brotando, vou eu aproveitando...

Mas mudando totalmente de assunto, aqui eu estou a me indagar, engraçado como nós adultos, muitas vezes somos meio infantis, inseguros, por achar que sabemos muito nessa vida, e que vamos sempre agir com coerência. Logo nós, que teoricamente nos julgamos tão maduros, sensatos comparados às crianças, logo terminamos enganando a nós mesmos com esta conversa. Óbvio, que a medida que vamos ficando mais velhos, as experiências que passamos, vamos adquirindo uma certa maturidade sim, mas quem foi que disse que é fácil ser adulto? Eita bichinho complicado... Está certo, que não faz tanto tempo que cheguei a esta faixa etária que chamam de "idade adulta", mas com meus vinte e pouquinho já me sinto bem mais complicada, como pessoa, do que nos tempos de infância.

Muitas vezes somos tão inseguros, nos perguntamos, se a profissão que escolhemos pra nossa vida, nos deixa felizes, se o que ganhamos, ou que ganharemos vai ser suficiente para nos mantermos, se quereremos ou se conseguiremos, casar, ter filhos, ou ficar encalhados? Será que aproveitamos as oportunidades que aparecem e que surgirão ao longo de nossa vida?

Por que quando crescemos, temos tanto medo de demonstrar nossos sentimentos? Por que temos na maioria das vezes tanto medo de arriscar, de trocar o certo pelo incerto, de virar tudo de ponta à cabeça, quando estamos infelizes? ... Por que temos tanto medo de sonhar?... E os problemas quando surgem, como resolvê-los? Será que sempre temos coerência e coragem para contorná-los?... Não. Sinceramente, não creio que somos tão espertos quanto pensamos ser...

Quando se é criança, não temos vergonha de ser felizes. Não temos vergonha de sermos o que somos, não complicamos coisas tão simples, e também não sentimos vergonha de nos sentirmos frágeis, e procurarmos um colo para nos sentirmos protegidos. Não acho, que o fato de sermos adultos, ofereça segurança plena naquilo que somos e que fazemos. Quantos de nós, nem sabemos o que queremos de fato da nossa vida...

Não sou suficiente adulta, porque apesar de já ter sido tomada por algumas "insanidades dessa idade", não tenho medo de assumir que sou uma pessoa que gosta de sonhar, que muitas vezes dou risadas com besteiras, que mesmo já quebrando a cara, ainda continuo acreditando no amor, que não sei esconder minha carência quando necessito de proteção, que sou atrapalhada pra caramba, meto meus pés pelas mãos, e que não tem o mínimo problema de dizer que não sei de um montão de coisa. Me sinto uma meninona diante deste universo complexo das pessoas que se dizem grandes e "sábias"... mas será que elas realmente são?

Beijos meus caros!